domingo, 9 de agosto de 2009

Texto Intratável de Hoje - "Nona Carta de Joana ao Anjo"


Nona Carta de Joana ao Anjo

30 de Julho de 2004

Olá Anjo.
Lembras-te da Bela? A amiga do Daniel, teu amigo das serenatas? Pois, ela morreu, Anjo. No dia 19. Foi atropelada por um fulano que se despistou, ou viu três faixas de rodagem em vez de uma, já que estava bêbedo como um cacho. Estou tão zangada, Anjo.

A Bela ia ser operada e estava muito triste. Ela tinha o sonho de ser mãe e acabou por saber que tinha cancro no útero. Queria ainda fazer uma viagem na qual não embarcou. A viagem dela terminou quando aquela besta a esborrachou em cima do passeio, contra o muro junto ao edifício do Turismo. Ainda não tive coragem de passar lá.

Ela escreveu-me antes de viajar, e também à Ana e à Clara. Uma carta muito bonita, cheia de coisas lindas e pensamentos positivos.
No ano passado tinha morrido um amigo da Clara, num acidente de viação. Eram da mesma idade. Foi bastante duro. Mas a Bela era a nossa Bela. Bem disposta e brincalhona nos dias bons e um autêntico vulcão nos dias maus.

Isto faz-me pensar mais fundo, além de causar uma enorme tristeza. A Bela faz-me falta e sempre fará. Preciso das ideias dela, da opinião, do refilar, das alergias e até do maldito fumo do tabaco que ela não largava. Vou ficar com o cão dela. Ele até se entende comigo. Quando ela ia para fora, o Faísca ficava sempre comigo. Ele também está triste. Aquele pastor alemão parece saber que a dona já não volta.

Isto faz-me pensar, Anjo, nos momentos que as pessoas desperdiçam com detalhes mesquinhos ou por causa dos próprios detalhes. Que importa o orgulho, a teimosia, se não temos aqueles que amamos junto a nós, ou pelo menos de boa saúde?

Pensa nisto, Anjo. Preciso da tua ajuda. Neste momento não tenho força, e nem quero ser teimosa. Só quero viver.

Beijos da Joana


*****

1 comentário:

Brancamar disse...

Olá Susanita,

Mais uma carta ao Anjo, linda, com expectacular desfecho. É mesmo isso, porque raio as pessoas não são capazes de aprender que a vida não pode nem deve ser desperdiçada com detalhes mesquinhos?
FIca bem miúda e continua com estas tuas ruminações, ainda vão dar um livro.
Beijo grande.
Tia Branca