sábado, 11 de outubro de 2008

“Pois…olha, chegou a minha vez.”



Na passada quarta-feira a minha amiga ligou-me a uma hora que eu não esperava, supostamente ela estaria a trabalhar. Mas não estava. Tinha vindo a correr do sul do país para uma consulta urgente no hospital. Tinha feito uma biópsia por agulha ao peito direito. O resultado era aquele que ninguém queria ouvir: maligno.

A minha amiga acompanhou o meu trajecto nestas coisas de “cancro e companhia” desde o início, que para mim foi em Outubro de 2006. Há um ano atrás, conversei com ela que tinha notado um caroço no meu ombro (a minha recaída). Ela tinha encontrado “qualquer coisita no peito” e ia a uma consulta. Eu fui andando por nova ronda de exames e novas instruções, e avancei para cirurgia e quimio. A minha amiga também foi fazendo exames, mas nada se via, nada era motivo de preocupação, eram “placas”…mas as placas foram crescendo.
Acompanhou os meus acessos de raiva e choro, depois a minha calma, as minhas piadas, os meus enjoos, foi-me visitando em minha casa, em casa dos meus pais… e íamos trocando informações. Foi colocada este ano na 2ª cíclica, estava felicíssima. Tem 30 anos feitos este verão.
Esta sexta-feira passei o dia com ela, pois ia fazer uma PET, o que acaba por ser uma longa seca. Insisti em ir com ela, dado que a família vai ter muito que ajudar noutros dias mais difíceis. Eu, como já fiz 3 daquelas… acampei na sala de espera com um livro, garrafa de água e bolachas em que não consegui tocar. Tudo se atrasou por causa do produto de contraste que chegou mais tarde. Acabei na conversa com uma filha e uma mãe, ambas esperando também por notícias boas dentro de uma realidade que já começa a não correr bem. Claro que encontrámos muito motivo de conversa.
A minha amiga saiu do exame com boa cara, à primeira vista parece estar localizado. Saiu cheia de gás e fome, e lá fomos nós almoçar quase à hora do lanche.

A minha amiga em início de guerra, e eu já depois de duas batalhas. Duas raparigas a passear pela rua, apanhando ar, como se fôssemos ás compras. Na próxima semana saberá algo mais. Com a minha guerra eu vou aguentando, mas a minha amiga não merece isto, é nova demais, tem muito a fazer, mas é forte e vai continuar a ser.

“Já viste a nossa vida? Olha que duas, caramba”, disse-me por cima do prato do almoço, e sorriu.

6 comentários:

jorge henriques disse...

Pois é verdade quando nada o faria prever surge a noticia que nao queremos escutar em nenhuma ocasiao da nossa vida mas a esperança e a coragem para a luta têm de ser as armas que nâo podemos deixar arrefecer.O apoio de quem nos rodeia familiares e amigos é tambem um factor muito importante no meu caso a Catedral ( o blog do Salvador ) foi uma forte terapia que me fez nâo baixar os braços e acreditar que é possivel lutar ,eu estou a fazer a minha parte hehehe
Espero que desse lado esteja tudo bem .
Um resto de bom fim de semana
abreijos
jorge

Mrs. Sea disse...

É importante nunca esquecer de A-C-R-E-D-I-T-A-R! Desde o primeiro momento, mesmo quando o medo se mostra exageradamente maior que a nossa esperança, temos de nos focar apenas que somos mais fortes do que o bicho e quando sair um vencedor, esse vencedor somos nós!
Para ti, continuação da força que te caracteriza... Para a tua amiga, lembra-lhe que juntos somos mais fortes e ela tem de ser forte e acreditar sempre!

Bjins

Brancamar disse...

Olá amiguita,

Vi que já por cá passou um bom terapeuta. Ali o Jorge Henriques disse no início do seu processo que tinha entrado neste clube mas queria rasgar depressa o cartão e está mesmo a rasgá-lo aos bocadinhos, até ficar em nada. É a vingança dele. Tu e a tua amiga vão fazer o mesmo. Tu já levas algumas vitórias no palmarés e ela também lá vai chegar.
Um beijinho para ti e outro para ela.
Branca

Brancamar disse...

Oi!
Por onde andas? Há quanto tempo!
Está tudo bem? Mais ou menos?
Que esteja o melhor possível.
Mil beijinhos.
Branca

Xanfrada disse...

Tia Branca e demais amigos,

eh eh, de repente...a minha amiga tem operação marcada, para dia 27, está bem disposta e com força.
Eu, cá no meio da minha lentidão, em 3 dias lá arranjei trabalhito. São umas horitas de formação, mas convém começar devagar. Amanhã volto ao circo. E se calhar em Novembro vem mais que fazer. Tenho andado a produzir materiais e fico tão cansada (foi-se embora o treino)que já nem chego a visitar os blogues dos amigos. Mas eu ponho-me em ordem e depois hão-de aparecer mais uns disparates meus.

Beijinhos e xi-pulmões.

Brancamar disse...

Olá miúda,

Se soubesses como gosto desses teus disparates...(?)!
Comovi-me ao olhar aqui para o lado para esta fotografia do dia - Cataratas de Iguazu, realmente era das coisas que gostava de ver antes de morrer, quem sabe...!Jogo poucas vezes no Euromilhões, pode ser que numa dessas vezes acerte e levo-te comigo e à tua amiga e ao nosso grupo todo, o Euromilhões chegava para isso, a Agência até me fazia um desconto por junto,eh!eh!eh!
Diz à tua amiga que tenha muita confiança que nós cá ficamos a fazer uma forcinha. Diz que cá a tia Branca e todos estes amigos estão alerta e que esta bicharada não tem levado a melhor com este exército de forças positivas aqui entrincheirado até à vitória final.
E também quero saber notícias tuas, não é só da tua amiga.
Ou por aqui ou por mail: brancapinto@gmail.com
Bom trabalho, fiquei feliz que aquela tua busca incessante tivesse alguns frutos.
Força que para a frente é que é o caminho.
Beijocas para ti e para a amiga.
Sempre vossa Branca